No Fórum das Letrinhas, autor e ilustrador falam para crianças da escola Marília de Dirceu


  • Ilustrador Maurizio Manzo e autor Denis Leandro falam sobre o livro Zola e Ana Raio (Foto | Thiago Bonna)

Segundo a 4ª e, até o momento, última edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pelo Instituto Pró-Livro, que apresenta dados colhidos entre os dias 23 de novembro e 14 de dezembro de 2015, em todo país, a média de livros lidos inteiros entre os estudantes, nos três meses que antecederam o estudo, era cerca de 2,28.

Dentro deste cenário, o Fórum das Letrinhas, contou com curadoria da Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP, levou o escritor Denis Leandro e o ilustrador Maurizio Manzo a um encontro com alunos da Escola Estadual Marília de Dirceu, no Sesi Ouro Preto – FIEMG, para falar sobre o livro infanto-juvenil Zola e Ana Raio, que conta a história de duas girafas que viveram no zoológico de Belo Horizonte.

O ensino de base é imprescindível para a formação de novos leitores, conforme destaca Denis Leandro. “A fase infantil, de escolarização, tem realmente uma importância maior para a leitura. Pois é justamente a fase que eles vão ter uma leitura acompanhada, e é o momento em que eles vão desenvolver a prática da leitura”.

Fugir desta estatística também é uma preocupação do escritor, que acha importante que os jovens se identifiquem e sejam contagiados pelo conto, “Se eles encontrarem livros que os cativem, a chance deles se envolverem com o universo do livro e da leitura e não participarem desta estatística tão baixa, vai aumentar”.

Já Maurizio Manzo  valorizou a importância dos livros ilustrados como uma porta de entrada destes jovens para construção de um olhar crítico sobre arte. “O livro ilustrado é um grande acesso para o olhar artístico. É uma forma de a criança amadurecer este olhar”, disse Manzo.

Denis ainda ressalta que não se devem subestimar as crianças e enfatizou o fato delas serem leitores exigentes, que não se contentam com histórias de baixa qualidade e que prezam por boas narrativas.

 “Não é só importante escrever para elas (crianças), não é só importante que tenham livros para crianças. É importante que tenham bons livros para crianças, que tragam idéias novas e que tragam reflexões para essas crianças. Todos que estiveram aqui hoje (segunda-feira) mostraram que têm idéias próprias sobre as histórias que eles lêem. Isso significa que os livros podem oferecer mais para as crianças e pedir mais delas.”

TEATRO

Antes da fala dos escritores, o grupo Teatro é o Livro fez uma apresentação que introduziu a história contada em Zola e Ana Raio. Os atores interagiram com os alunos e destacaram a importância da leitura como uma forma de adquirir conhecimento.

GIRAFAS E PERSONAGENS

Denis contou que desde criança se encantou com a “beleza poética das girafas”, mas a vontade de escrever uma história ficcional sobre animais reais surgiu após um acidente ocorrido na África do Sul.

Em 2014, duas girafas eram transportadas da cidade de Pretória para Joanesburgo quando, durante o trajeto, o veículo que transportava os animais passou por um viaduto e uma das girafas bateu a cabeça e veio a óbito.

O acontecimento marcou o autor que decidiu escrever um conto que tivessem estes animais como personagens centrais, levantando reflexões sobre cárcere e preservação de animais e seus habitats. Foi desta forma que Zola, nascida na África do Sul, em 1997, e que chegou em 1999 a Belo Horizonte; e Ana Raio vinda da Fundação Pólo Ecológico de Brasília, em 2004, viraram protagonistas do livro.



14/11/2017