Uma tarde no Sextas Abertas


  • Foto Larissa Pinto
Realizado sempre na última sexta-feira de cada mês, o público tem acesso gratuito às oficinas e mostras de arte no Núcleo de Arte

Ocorreu na última sexta-feira (31) de março mais uma edição do Sextas Abertas, evento cultural da Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP realizado no Núcleo de Arte localizado no bairro Antônio Dias. Nesse dia, a Fundação disponibiliza gratuitamente ao público uma programação diversificada com várias oficinas e mostras das mais diversas expressões artísticas.

A última edição do evento dividiu entre o período da manhã e da tarde as oficinas, deixando o primeiro momento focado no público infantil e o segundo no público jovem-adulto. Ao longo do dia, quem foi ao Núcleo pôde ver trabalhos na forma de desenho, escultura, mosaico de vidro, documentário e etc.

A mistura de linguagens artísticas é um dos objetivos do evento. Colocando expressões culturais diferentes acontecendo simultaneamente, os visitantes podem transitar de um ambiente para o outro e ter uma tarde criativa. “Quanto mais oficinas, quanto mais coisas estiverem ocorrendo simultaneamente, mais interessante”, diz a professora e coordenadora do Núcleo de Arte, Rachel Falcão, que durante a tarde ministrou a oficina de Mosaico Mural. Os participantes puderam passear livremente pelo espaço e observar os trabalhos uns dos outros. 

A proposta do Sextas Abertas é abrir o Núcleo às pessoas da região. Segundo Azor Borges, professor de cerâmica, “o evento é uma boa oportunidade para as pessoas descobrirem a FAOP e experimentarem o trabalho com arte, que pode ser uma prática de autoconhecimento”.

A oficina de Modelagem ministrada por Azor reuniu várias crianças interessadas em fazer esculturas de argila. A professora Rachel ensinou a fazer o Mosaico Mural, usando cacos de vidro e argamassa, os alunos decoraram uma das paredes do Núcleo com os projetos que criaram durante o evento. O encerramento ficou a cargo da exposição do documentário ‘Os filhos da mata – A Luta da Reserva Pataxó da Jaqueira’, produzido pelo Coletivo En Cleta Vamos.

O coletivo responsável pelo documentário foi formado em 2014 com a proposta de seguir viagem de cicleta pela América Latina. Manuela e Joaquim, dois dos integrantes do coletivo, abriram após a sessão uma roda de conversa na qual contaram um pouco sobre a filmagem e ouviram as impressões do público.

Projetos como o do En Cleta Vamos vão de encontro com as ideias do Sextas Abertas. O projeto se dispõe a integrar propostas de qualquer pessoa/coletivo que queria expor seu trabalho nesse dia. O que move o evento é a construção de um espaço que seja educativo e artisticamente diverso, onde seja possível colher novos amigos e novas experiências de várias linguagens diferentes.

Foto | Larissa Pinto


05/04/2017